domingo, 26 de dezembro de 2010

Elis, o mito

 

Nunca tinha visto Elis Regina cantando. Esses dias, ganhei um DVD dela com um especial que a Rede Globo fez em 1980 chamado “Elis Regina Carvalho Costa – Grandes Nomes”. Sinceramente, não animei muito, não. Embora tenha me interessado por Elis desde que ouvi “Águas de Março” aos 14 anos e goste bastante dela, me pareceu que seria chato assistir ao DVD (Diga-se se passagem que comprei um DVD da Ivete Sangalo e nunca o vi inteiro porque não consegui).

Mas como sempre só a ouvi e nunca a vi, coloquei o DVD para ver como era a cara dela em um vídeo. Talvez para me acostumar. A cada vez que vejo uma foto dela, ela está diferente. Nunca consegui memorizar seu rosto, mas penso que sua voz é inconfundível.

Depois de assistir, entrou na minha cabeça que Elis Regina era uma malucona, doida de tudo, que não tinha medo do ridículo, tanto que chega a ser engraçada. Ela canta e zomba dos outros ao mesmo tempo e é evidente que se diverte muito ao fazer isso. Ela canta para ela mesma, brinca e faz o que quer com a música. Elis Regina não é nada certinha.

Os dois vídeos acima são das músicas “Alô, Alô, Marciano” e “Agora tá”. Eu os acho muito engraçados.

No primeiro vídeo com “Alô, Alô, Marciano”, ela zoa muito, tira sarro enquanto interpreta a música. E fala frases do tipo “Gente fina é outra coisa, entende?” ou “Ai, que transcendental que é o jazz, não?” o que eu acho muito legal. Mas o melhor deste vídeo e mais irônico (ironias do destino) é que em 2:44 minutos ela dá uma cheirada bem profunda como se estivesse cheirando cocaína. Prestem atenção, é bem depois de ela cantar “O ser humano tá na maior fissura porque...” . A ironia é ela morreria de overdose de cocaína e álcool. Mas ela não cheirou cocaína, ela tomou misturada com a bebida. E eu nem sabia que cocaína fazia efeito por via oral.

Já no outro vídeo com a música “Agora tá”, a dancinha dela é muito engraçada e os braços não param de se mexer, isto fez com que Rita Lee desse a ela o apelido de Elis-cóptero. Tem uma hora que parece que baixou um santo nela, hehe. E eu gosto muito das brincadeiras que ela faz com a voz.

Enfim, assistir ao DVD me fez lembrar de algo que eu já tinha pensado antes: eu nunca vou ter a oportunidade de vê-la cantar em um show, ao vivo e em cores. Mas vê-la cantando no vídeo me fez acreditar ainda mais no nome do CD onde a conheci e passei a admirá-la: “Elis, o mito”.

Eduardo Franciskolwisk

P.S.: Ela morreu em 1982 e eu nasci em 1983. Então, gosto de pensar que quando eu estava a caminho da Terra, ela fazia o caminho inverso e nos cruzamos num certo ponto do espaço sideral. Surreal, não?

Um comentário:

  1. Legal, cara. Muito bom quando jovens como você, param para prestar atenção nas coisas e pessoas do passado. E depois gostam e valorizam. Parabéns. Isso só mostra que você não é alienado e cabeça vazia, como muita gente hoje, jovem ou não.

    ResponderExcluir

Leitores, se forem comentar como anônimo por facilidade, peço que deixem pelo menos seus primeiros nomes como assinatura.

Mas se fizerem questão do anonimato, não tem problema!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...