domingo, 7 de abril de 2013

Lendo Rubem Alves

ostra feliz nao faz perola

Lendo o livro “Ostra feliz não faz pérolas” de Rubem Alves (ainda não terminei) fiquei pensando em 2 pontos.

1) O primeiro ponto é quando ele dá dica para quem quer ser escritor. Rubem Alves diz que literatura é mostrar conchinhas. Ele diz “O que torna a conchinha importante não é o seu tamanho, mas o fato de que alguém a cata da areia e a mostra para quem não a viu.”.

Fui mais além. Isto me fez pensar que a internet é muito grande. Há páginas e mais páginas de escritos jogadas mar adentro. Mas o que faz um texto meu ser importante é se alguém o encontra sem querer e o cata para si, guardando-o para sempre dentro do coração e da cabeça.

No meio de tantas, a minha conchinha foi a escolhida para ser admirada e aliviar (ou incomodar) aquela pessoa. E depois disso, a pessoa nunca mais será a mesma.

Então, quando isso acontece, eu fico feliz. Mesmo que sejam pouquíssimas vezes.

2) O segundo ponto que gostei foi quando Rubem Alves conta que um amigo seu sempre o corrigia quando ele cometia algum deslize na língua portuguesa. Depois ele escreve: “O que me deixa triste sobre esse amigo é que nunca tenha dito nada sobre o que eu escrevo, se é bonito ou se é feio. Toma a minha sopa, não diz nada sobre ela, mas reclama sempre que o prato está rachado.”.

Eduardo Franciskolwisk

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitores, se forem comentar como anônimo por facilidade, peço que deixem pelo menos seus primeiros nomes como assinatura.

Mas se fizerem questão do anonimato, não tem problema!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...