sábado, 19 de agosto de 2017

Quinta série


Tenho uma teoria: as pessoas nunca saem da quinta série. É máximo da evolução humana. Após a quinta série, o cérebro das pessoas não se desenvolve mais.

Depois que saí da quinta série, tinha uma professora que quando queria que parássemos de fazer bagunça gritava “Ô quinta série, vamos parar?” Em outras palavras, ela tentava nos intimidar dizendo que nós ainda éramos crianças para que, enfim, a obedecêssemos. Isso ficou grudado na minha mente pelo resto da vida. Sempre que vejo alguém fazendo alguma infantilidade penso na “quinta série” daqueles gritos. E de fato, nós nunca saímos da quinta série.

Eu me lembro de que quando estava no ensino fundamental e a minha vida e as pessoas eram difíceis pra caramba, pensava: “Isso vai mudar quando eu chegar ao ensino médio”.  Durante o ensino médio, nada mudava e tudo o que acontecia no ensino fundamental voltava a acontecer. E, então, eu pensava: “Isso vai mudar quando eu for para a faculdade”. Na faculdade, as criancices continuavam e eu já estava perplexo em como a evolução da mente e das interações sociais das pessoas havia estagnado, mas não podia fazer nada além de pensar: “Depois da faculdade, quando as pessoas começarem a trabalhar, aí sim, ela vão mudar.” E… Nada mudou! E aí, entendi que elas nunca mudariam. O pior é que com o passar dos anos, elas se tornam mais crianças ainda. Então, por causa disso, cheguei à conclusão de que as pessoas nunca sequer saíram da quinta série. O corpo, sim, mas a cabeça, não.

Desta forma, sempre que vejo os absurdos da vida acontecendo, me lembro de que tudo aquilo também acontecia quando eu tinha 11 anos, na quinta série, e fico abismado de como, realmente, nada mudou.

Eduardo Franciskolwisk

domingo, 18 de junho de 2017

10 anos de blog


Neste ano de 2017, este blog completou 10 anos de existência.

No dia 03 de junho de 2007, um domingo, fiz minha primeira postagem que tinha o título “Dinheiro de Papel”. No mesmo dia, postei mais dois outros textos: “Eu odeio festas!” e “Excesso de sinceridade”. Eles deveriam estar guardados, assim como muitos outros, mas naquele dia resolvi que gostaria que alguém os lesse.

Durante a faculdade, cheguei a escrever alguns contos para um jornal local. De graça. Eles ganhavam uns trocados e eu não. E certa vez, escrevi uma crônica real falando verdades de alguém com influência na cidade. Não me publicaram. Outro jornal me publicou. De graça também, e ficou muito claro que o jornal não era responsável pelas opiniões de terceiros. No caso a minha. Se alguém fosse se ferrar, este alguém seria exclusivamente eu. Só eu. Não me pareceu muito justo: perder tempo escrevendo minhas verdades, não ganhar dinheiro nenhum com isto enquanto o jornal ganharia seu dinheiro normalmente com vendas e publicidades e, finalmente, o jornal não compraria a minha briga. Minha e de inúmeras outras famílias.

Ficou claro que os jornais de Barretos eram pequenos porque eram medrosos. Que visavam o lucro e não a verdade. Então, perdi o tesão de mandar meus textos para eles. Geralmente, fazer papel de trouxa me deixa meio decepcionado. Ali, meu amor pelo jornalismo morreu um pouco. De lá pra cá, poucas foram as vezes em que abri um jornal local para ler.

Havia outra coisa que me incomodava muito. Minha ansiedade em ser publicado. Eu não sabia em que dia meus textos sairiam e isso me deixava com o coração a mil. Ou seja, publicar em jornal impresso não era um bom negócio para mim.

Naquela época, os blogs estavam na moda. Eram diários pessoais, mas os segredos ali escritos eram abertos a todos ao invés de ficarem trancados a sete chaves como no passado. Talvez fosse o começo do que vemos hoje nas redes sociais: “Soltando um barro” – com uma foto da pessoa na privada fazendo joinha.

Então, achei que criar um blog seria uma ideia genial: eu escreveria e publicaria o que quisesse – sem censura, a publicação aconteceria de forma instantânea, continuaria fazendo de graça, continuaria me fodendo sozinho se alguma postagem desse merda e ainda tinha a vantagem de ser lido por pessoas de qualquer parte do mundo. Só vantagens – “Um pouco é muito pra quem não tem nada”.

Com o passar do tempo, a maioria dos blogs foram abandonados. Este aqui também teve seus momentos de “vou dar um tempo”. Confesso que hoje, ele não tem mais a atenção que eu queria dar. Como vcs podem ver, no ano passado (2016) publiquei somente uma postagem. Em 2017, já estamos em junho e esta será a primeira postagem do ano.

Eu gostaria mesmo de me dedicar mais a este blog: mas não tenho mais tanto tempo. Trabalho de manhã, de tarde e de noite. Das 9 da manhã às 10 horas da noite. Ganhar dinheiro se tornou mais importante do que me sentir realizado. Esta é a vida quando crescemos.

Mesmo assim, nunca abandonei este blog por completo. Sempre que alguém publica um comentário em uma das minhas postagens, recebo um e-mail com o que a pessoa escreveu, leio e sempre tento responder. Me sinto muito feliz com isso.

Para finalizar, devo dizer que este blog me ajudou e me ajuda muito. É aqui que desabafo alguns sentimentos que só vão embora de mim após escrevê-los. Outras vezes, minha revolta é tão grande que só me acalmo após escrever. É a minha terapia grátis. Acho que gostar de escrever nasceu comigo. Pode ser que eu escreva mal e que minha ansiedade afete expor minhas ideias de forma que fique fácil das pessoas entenderem, mas quando escrevo tento entender a mim e aos outros. Então, por mais raro que isso vem se tornando, nunca vou deixar de fazê-lo.

Nestes 10 anos de existência, até o dia de hoje (18 de junho de 2017) o blog teve 192.100 visualizações de página de acordo com as estatísticas do Blogger e 137.269 visualizações de páginas segundo o Google Analytics.

Obrigados a todos que me visitaram! Voltem mais vezes nos próximos 10 anos.

Eduardo Franciskolwisk
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...