domingo, 21 de abril de 2013

Coisas da Vida

- Não acredito! Rosana, é você mesma?

- Ai, meu Deus! Júlio! Que surpresa!

- Minha nossa, mulher! Há quanto tempo a gente não se via?

- É verdade... Acho que desde que terminamos o colégio... Venha cá, me dê um abraço.

- Um abraço e um beijo, afinal estamos falando de tempo à beça!

- O que você me conta, Rosana? Fez faculdade?

- Fiz! E olha que já faz um tempão que eu estou formada. Sou veterinária.

- É mesmo... Eu tinha me esquecido que você adora animais. Estou me lembrando agora dos dias que você ia lá em casa e não desgrudava do cachorro e do gato.

- Pois é, agora eu sou a médica deles! Mas, e você? Formou?

- Formei! Suando, mas me formei.

- Em física?

- Sim, em física!

- Era o que você queria, não era?

- Era! Também não tinha nem como vocês se esquecerem, eu não parava de falar na dita cuja, e ainda ajudava todo mundo quando precisava! Você principalmente, Rosana.

- Nem me fale em física, tenho pavor!

- Não exagere! O que importa é que a cada um de nós fez da vida o que quis e estamos felizes por isso!

- É o nosso Júlio! Sempre filosofando.

- O que mais você fez da vida nesse tempo todo? Casou?

- Casei nada! E você?

- Nem eu. Mas e aquele seu namorado de anos e anos?

- Não agüentei... Meu namoro era de anos e anos sendo chifrada, sendo humilhada pelas costas por aquele babaca!

- Então, que dizer que você descobriu?

- Você sabia?

- Todo mundo sabia, só você que não!

- Porque não me disseram?

- Depois de todas as indiretas que a nossa turma inteira deu em você achamos que não você não queria acreditar!

- Mas eu não me lembro de nenhuma indireta, Júlio.

- Rosana, Rosana! Nós tentamos te avisar bem antes!

- Não me lembro mesmo! Mas, e você, Júlio, porque não se casou?

- Ah, não! Levei o pé na bunda de todas elas!

- Inclusive aquela que você tava namorando no nosso último ano de colégio?

- Aquela foi a pior! Foi ela quem deu origem ao que hoje chamo de “efeito dominó”.

- Por que?

- Foi só ela resolver chutar o meu traseiro me trocando por outro cara que todas as outras que vieram em seguida fizeram o mesmo!

- Nossa, Júlio, que azar!

- Azar? Bota azar nisso! Mas felizmente eu não sou o único, não é mesmo?

- É verdade... Eu também não tenho muita sorte nesse negócio!

- Rosana, Rosana, o jeito é rir das nossas tragédias!

- Rir para não chorar, mas chorar para que o nosso riso, depois, tenha algum valor!

- Ei! O filósofo aqui sou eu!

- Mas eu também sou de filosofar! Ou você não se lembra que filosofávamos juntos?

- Não tinha nada disso não, Rosana! Eu era o único filósofo que tinha na turma!

- Que isso, Júlio? Não se lembra de uma coisa dessas? Assim eu fico triste, eu até hoje conto para todo mundo na rua das filosofias que fazíamos juntos.

- Estranho... Não me lembro, de verdade.

- Isso é normal! Depois que a gente cresce a gente se esquece das coisas importantes do passado.

- A senhora já está filosofando de novo, pára com isso! O filósofo aqui sou eu!

- Ops, desculpa, não consigo evitar! Mas que fique bem claro que aqui eu também sou filósofa!

- Está bem... Não precisa ficar tão brava assim!

- Não vou mais ficar brava!

- Assim que eu gosto! Rosana, já falamos de faculdade, de casamento, que por sinal não é o nosso forte, e sobre as minhas, quero dizer, as nossas filosofias. E agora, sobre o que vamos falar?

- É tanto tempo sem a gente se ver que quando chega a hora a gente esquece de tudo!

- Você tem razão, assunto é o que não falta, o duro é lembrar deles na hora da emoção!

- Júlio, acabei de me lembrar do seu pai, como ele está?

- Meu pai, Rosana? Meu pai morreu quando eu tinha cinco anos e você sabe muito bem disso!

- Isso é impossível, Júlio. Ele sempre levava a gente nos lugares que a gente queria ir para se divertir. Você está gozando da minha cara, seu safado?

- Não, não estou.

- Ué?

- Tem alguma coisa errada aqui!

- Também acho!

- O seu nome é Rosana Campos?

- Não, Júlio! O meu nome é Rosana de Salles. O seu é Júlio Burinato?

- Não! O meu nome é Júlio Fredo.

- Que confusão que nós aprontamos!

- Confusão causada por inúmeras coincidências.

- Bom, se você não é o meu amigo, acho melhor eu ir andando! Desculpe a confusão!

- Que isso? Eu também me confundi todo!

- Tchau, Júlio. Foi um prazer!

- Tchau... Ei! Espere, já que fizemos toda essa confusão e tanto você como eu não temos sorte com o amor, quem sabe tantas coincidências tenham não acontecido por mera coincidência?

- É verdade... Quem sabe...?

- Me dá seu telefone para que a gente possa sair algum dia?

- Claro, pegue a minha caneta e anote aí na sua lista de compras!

- É para já!

Eduardo Franciskolwisk

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitores, se forem comentar como anônimo por facilidade, peço que deixem pelo menos seus primeiros nomes como assinatura.

Mas se fizerem questão do anonimato, não tem problema!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...