domingo, 28 de abril de 2013

Por que um mandruvá atravessa a rua?

Por que uma galinha atravessa a rua? Com certeza, todos sabem que é “para chegar ao outro lado”. Mas por que um mandruvá atravessa a rua?

Mandruvinha era o apelido do filho mais velho do casal mais famoso daquela cidade. O casal de mandruvás já não existia mais. Ninguém sabe o que lhes aconteceu. Aliás, nunca se soube do que acontece com os mandruvás numa certa idade. Eles, simplesmente, desaparecem!

Mas a memória é feita para ocasiões como estas. A memória é feita para resgatar o passado; tornado-o, de novo, presente; para que seja mais fácil enfrentar o futuro. A cabeça desse mandruvá não era muito diferente da nossa. Ele também tinha recordações.

Momentos antes de atravessar a rua, Mandruvinha se lembrava do que seu pai dizia:

– Mandruva Filho, preste atenção no que eu digo. Um dia você vai ter de escolher entre o fácil e o difícil. Escolha o difícil porque a longo prazo é o caminho mais fácil. Se você escolher o fácil, lembre-se de que, com o passar do tempo, o caminho ficará mais difícil. A decisão é sua, mas... Arrisque-se!

Acordando de seus pensamentos, olhou a rua. Muitos carros passando, muitas buzinas fazendo barulho. Às vezes, aparecia uma ou outra bicicleta e mais raramente, uma carroça. E olhando todo aquele movimento, novamente mergulhava em seus pensamentos.

– Mandruva Filho, ouça o que eu digo. Um dia você vai ter de fazer o que é certo ou o que é errado. Faça o que é certo porque, simplesmente, é o correto a ser feito. Se você fizer o que é errado, não tem problema, mas só faça isso se você achar que é o correto a ser feito. De vez em quando, é bom nadar contra a correnteza. A decisão é sua, mas... Arrisque-se!

Realmente passavam muitos carros ali.

– É praticamente impossível para um mandruvá como eu atravessar a rua com todos esses carros passando – pensava ele.

Mas era só prestar atenção nas dificuldades que estavam diante dele que Mandruvinha se recordava das palavras do pai.

– Mandruva Filho, escute-me. Um dia a sua vida vai estacionar ou vai andar de marcha a ré. Se estacionar, você não estará em desvantagem. Porém, também não estará em vantagem. Se estiver andando para trás, será necessário que você tome providências. Em todos os casos, a decisão é sua, mas siga o conselho deste velho aqui: Arrisque-se!

– Este lado da rua – dizia Mandruvinha para si mesmo – já não me deixa feliz! Quero muito conhecer o outro lado. Lá pode ser muito melhor que aqui... Mas também pode não ser...

O pequeno mandruvá olhou para a extensa rua a qual queria atravessar. Olhou os inúmeros carros que passavam; as motos e as bicicletas. Sentiu um friozinho na barriga, mas mesmo assim decidiu “Arriscar-se” como lhe pedia o seu pai.

Quando estava quase chegando ao outro lado da rua, uma bicicleta veio em alta velocidade para cima de Mandruvinha. Ele não pôde fazer nada! A bicicleta podia e desviou dele.

Hoje, ele é um outro mandruvá. O outro lado da rua fez muito bem para ele. Casou-se e teve uns pares de filhos que já estão crescidos. Ele já está naquela idade especial para um mandruvá. Aquela idade em que eles, simplesmente, desaparecem.

Por que um mandruvá atravessa a rua? Para chegar ao outro lado. Aqueles que não se arriscam nunca se dão mal, muito menos se dão bem. É assim que funciona. Arrisque-se!

Eduardo Francisskolwisk

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitores, se forem comentar como anônimo por facilidade, peço que deixem pelo menos seus primeiros nomes como assinatura.

Mas se fizerem questão do anonimato, não tem problema!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...