domingo, 28 de abril de 2013

O Mistério do Ladrão de Coração

Quando tudo parecia estar perdido, ele estava lá para achar. Quando todos iam para a esquerda, ele se direcionava para a direita. Quando o mundo não via o principal, ele o enxergava. Ele era um detetive. O melhor de todos!

Ontem, às 5 horas da tarde, chegou em seu gabinete superultra-secreto que, segundo os jornais e os painéis eletrônicos, ficava na Rua Misteriosa, nº 15, um homem gordo, vestindo terno preto com um chapéu branco.

– Eu poderia falar com o Detetive, senhorita Bárbara? – perguntou o gordão para a secretária do Detetive.

– Claro, seu Bartolomeu! Sua visita era esperada e ele já está pronto para recebê-lo. Acompanhe-me!

E o homem de preto a acompanhou.

– É nesta sala, o senhor pode entrar!

– Obrigado, Bárbara.

Depois de agradecer e antes de entrar, o homem pensou um pouco e perguntou para a linda senhorita:

– Bárbara, você gostaria de fazer algo hoje a noite?

– Gostaria sim, mas não com você! Desculpe a sinceridade, mas não com você!

O homem disse que tinha entendido, porém, entrou cabisbaixo. Logo, foi recebido de maneira calorosa pelo detetive que, apontando um revólver para sua cabeça, gritou:

– Não se mova, sua bola de carne ambulante! Isso daqui é um revólver e se eu apertar este botão você estará morto.

– Não me encha o saco, Detetive! Temos um caso especial que precisa ser resolvido até amanhã.

– Ora, ora, Bartolomeu! Adoro mistérios. Vamos, conte-me logo o que terei de fazer.

– Há um homem que rouba o coração da minha amada sua secretária Bárbara. Quero que a cabeça dele role igual...

– Igual você rolou aquele dia que caiu numa ladeira? – interrompeu o Detetive rindo.

– Não! – continuou o gordo. Igual a uma bola de boliche em direção aos pinos para derrubá-los!

– Bem, neste caso o preço será caro.

– O preço não importa. Descubra quem é ele e mate-o!

– Tudo bem, começarei a trabalhar agora mesmo.

O gordo, já indo embora, voltou-se e falou:

– Antes que eu me esqueça: há outro detetive nesse caso. Portanto, o melhor fará o trabalho e receberá o dinheiro.

– Eu sou o melhor, já se esqueceu disto? Sou capaz de tudo para manter o meu posto!

Bartolomeu fechou a porta. E Bárbara foi chamada pelo chefe:

– Me chamou, chefinho lindo?

– Sim, precisamos conversar!

– O senhor vai me mandar embora? – perguntou a moça desesperada.

– Não, quero saber se posso ir jantar na sua casa hoje!

– Hoje...? Hum... tudo bem! Você vai conhecer o meu gatinho.

Depois de tudo combinado, e já na ausência da senhorita Bárbara, o Detetive pensou:

– O namorado dela vai estar lá! Vai ser muito mais fácil do que eu tinha imaginado!

O tempo passou e já estava na hora do patrão chegar em sua casa. Ela estava linda. Tinha de estar assim porque o ladrão do seu coração estaria em sua casa naquela noite.

A campainha tocou!

– É o meu patrão, Arnaldo! Como estou nervosa.

A moça abriu a porta e sorriu. Cumprimentaram-se formalmente com um aperto de mão.

– Vamos entrando, Detetive. Quero que você conheça alguém muito especial!

Os dois foram para sala de jantar onde Arnaldo já os esperavam.

– Detetive, este é o Arnaldo. Arnaldo, este é o Detetive, o meu patrão.

A cena foi muito embaraçosa. Após serem apresentados, um olhava para o outro, mas nenhum sabia o que fazer e nem o que dizer. Bárbara, então, disse:

– Vamos rapazes, apertem as mãos!

– Miau! – exclamou Arnaldo.

– Como vou apertar a mão de um gato, Bárbara? Pelo menos deveria ter dito para que eu lhe apertasse a pata!

– Desculpe-me, Detetive. Não disse por dois motivos: o primeiro é que Arnaldo é uma pessoa dentro dessa casa e segundo, achei que você descobriria que ele é um gato. Afinal, você é um detetive.

Um pouco frustrado, o Detetive começou a bolar outro plano. Pensou em descobrir o nome do ladrão de coração simplesmente perguntando para ela, através da grande amizade que tinham.

Conversaram bastante e, inclusive, o Detetive ficou sabendo que Arnaldo era um gato bonzinho e fiel. Somente durante o jantar, o plano entrou em ação.

– E os namorados, Bárbara? Você está saindo com alguém?

A senhorita engasgou com o suco que tomava, e depois de recomposta, respondeu:

– Não... Infelizmente não. Mas já que você tocou no assunto, terei de dizer o que sinto por você hoje. Eu sou apaixonada por você desde o dia em que comecei a trabalhar no seu gabinete superultra-secreto.

Agora, quem engasgou foi o Detetive. A moça, muito nervosa, quis saber depressa:

– Então, nós temos chances?

Mais uma vez ele engasgou. Pouco tempo depois, ia dirigir a palavra à moça, mas Arnaldo lhe avançou no rosto.

– Pára, pára, Arnaldinho! – gritou Bárbara.

O gato nem ouvia, só continuava a atacar cada vez mais forte. Mordeu-lhe o pescoço várias vezes, saía muito sangue. Parou quando o detetive caiu no chão e, depois, fugiu pela portinha que existia na porta da cozinha.

Bárbara chamou a ajuda médica para o amado que estava estendido. A ajuda chegou tarde demais e o detetive morreu.

A notícia logo se espalhou e por isso chegou muito rápido nos ouvidos do gorducho Bartolomeu. Ele fez o telefone de Bárbara tocar!

– Alô!

– Bárbara? Aqui é o Bartolomeu. Sinto muito pelo que aconteceu. Gostaria de saber se posso ajudar em alguma coisa.

– Não, muito obrigada! Se eu precisar, te telefono.

– Tudo bem... Agora me diga, onde está o seu gato?

– O Arnaldo?

– Sim, ele mesmo!

– Foi ele quem matou o Detetive! Ele fugiu!

– Eu já sabia, querida Bárbara. Você pode fazer um favor para mim? Já que você não me quer!

– Eu ainda estou bastante chocada pelo ocorrido, mas se for possível farei!

– Obrigado! Se o Arnaldo aparecer por aí, diga-lhe que ele fez um bom trabalho.

Bárbara arregalou os olhos. Tentou gritar alguma coisa, mas só o que ouvia agora era o tu-tu-tu-tu do telefone.

Eduardo Franciskolwisk

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitores, se forem comentar como anônimo por facilidade, peço que deixem pelo menos seus primeiros nomes como assinatura.

Mas se fizerem questão do anonimato, não tem problema!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...