domingo, 14 de abril de 2013

A caixa mágica de chocolate

Vivia na rua um garoto muito pobre, a única coisa que ele tinha, além da roupa do corpo, era uma caixa. Enganam-se as pessoas que acham que esta era uma caixa simples, esta era uma caixa mágica de chocolate.

O garoto vendia chocolates nas ruas e algumas vezes, de tão bom que o chocolate era, as pessoas iam atrás dele, mesmo quando não estava trabalhando. Mas, certamente, o que mais chamava a atenção dos compradores eram as respostas que estavam dentro do chocolate. Isso mesmo, respostas! Funcionava assim: se alguém quisesse saber de alguma coisa que já tinha acontecido, ou seja, do passado, essa pessoa comprava o chocolate e lá dentro tinha um papelzinho com a resposta.

Sempre certa, não houve uma única vez em que a resposta do chocolate estivesse errada. Muitíssimas pessoas iam procurar o menino para obter ajuda. Teve uma senhora que tinha ficado viúva de um homem muito rico e não sabia onde a fortuna do defunto tinha ido parar. Então, ela comprou o chocolate e perguntou:

- Eu serei feliz quando souber onde está os milhões do meu falecido marido?

Abriu o chocolate, comeu e leu o papelzinho que dizia:

- Não.

Bingo! Meses depois ela descobrira que o dinheiro tinha ido para várias instituições da cidade e se torceu de raiva. O papelzinho acertara! Ela não estava nada feliz.

Porém, as pessoas que compravam o chocolate tinham que tomar muito cuidado na hora de fazer a pergunta. Muitas e muitas vezes o papelzinho respondeu uma pergunta enquanto as pessoas achavam que ele estava respondendo outra.

- Bom dia! Está tudo bem com o senhor? – perguntou o empregado ao patrão ao chegar no trabalho.

- Eu vou ganhar na loteria? – quis saber o patrão do chocolate na mesma hora em que o empregado chega.

- Sim – estava escrito no papel.

E foi por isso, pelo sim do chocolate, que o homem pôs tudo a perder e de patrão passou a mero mendigo das ruas da cidade. Não sabia ele e a maioria das pessoas que aquele sim era a resposta da pergunta do empregado. O papelzinho estava certo, o patrão, naquele dia, estava bem.

Os erros, apesar de erros, nunca fizeram má fama ao chocolate e suas respostas.

A caixa de chocolate era mágica, seus chocolates eram infinitos, nunca acabavam. Esse é o motivo do garoto pobre poder vendê-los. Continuou pobre com a fama e a grande vendagem do chocolate? Sim, ele continuou. O preço do chocolate era muito baixo, quase era grátis, e o dinheiro que conseguia só dava mesmo para que ele não morresse de fome.

- Não posso abusar de uma coisa que é me dado de graça! Tenho só o suficiente para viver, se eu ficasse rico com os chocolates o nascimento do meu orgulho mataria a vida própria da minha caixa mágica de chocolate. E aí eu não teria nada para continuar a vida.

E as respostas? Quem era o responsável por elas existirem dentro dos chocolates? A dúvida ficou na cabeça das pessoas por muito tempo, mas a curiosidade era pouca. Até que um dia um velho encontrou o garoto na rua e disse:

­– Menino, estou interessado nas respostas que o seu chocolate dá. Preciso só das respostas, não preciso desse seu chocolate mágico. Sou muito rico e as quero para mim, só para mim. Posso pagar o quanto você quiser. Quanto custam?

E o menino respondeu:

­– O senhor está enganado... As respostas não estão à venda. O que eu vendo é o chocolate, as respostas eu dou de graça.

Depois disso, toda a cidade ficou sabendo que o menino também tinha seu toque de magia. Muitos acabaram por acreditar que a mágica do menino e do chocolate era puro truque de gente esperta querendo passar a perna nos outros, e com esses o chocolate nunca mais funcionou. Restaram, porém, aqueles que ainda confiavam no chocolate. Eram essas pessoas que davam vida a algo misterioso, algo misterioso que dava vida a essas mesmas pessoas no momento de suas dificuldades.

Termino a minha história pedindo:

– Acreditem nela e ela terá algo de real em suas vidas.

Eduardo Franciskolwisk

2 comentários:

  1. muito legal seu blog, adorei a história do menino

    ResponderExcluir
  2. Gostei da escrita, mas na minha opinião, poderia ter um desfecho melhor ou emocionando.

    Nunca pare de escrever;

    ResponderExcluir

Leitores, se forem comentar como anônimo por facilidade, peço que deixem pelo menos seus primeiros nomes como assinatura.

Mas se fizerem questão do anonimato, não tem problema!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...