domingo, 28 de abril de 2013

Querido Diário...

– Querido diário, meu dia hoje não foi dos melhores. Acordei com o telefone tocando. Era a moça do hospital dizendo que meus pais tinham marcado um exame para mim hoje. Sabe aqueles exames de rotina que sempre o pessoal daqui de casa faz? Lembrou?

– Lembrei, sim. E o que mais? Agora eu estou curioso, conta logo!

– Então, hoje, às 6:30 da noite o médico ligou aqui e quis falar com o meu pai. Depois que ele desligou o telefone, me chamou desesperado e fomos correndo para o mesmo hospital onde tinham sido feitos os exames.

– Virgem Santa Maria! O médico falou que você tinha o quê?

– O médico não queria falar nada na minha frente sobre o meu caso e por isso convidou meu pai, só meu pai, para que fossem conversar em particular na sua sala.

– Demoraram?

– Eles ficaram lá por muito tempo e, quando saíram, eu vi que meu pai tinha chorado. Então, eu perguntei o que eu tinha.

– E o que você tem?

– Mas eles não me responderam. Só me disseram para entrar na sala onde estavam e ficar lá esperando uns “segundinhos” em companhia de uma das enfermeiras.

– Nossa! Mas o seu pai não ficou lá com você?

– Depois, fiquei sabendo que meu pai tinha ido telefonar para minha mãe e que ela já estava vindo para o hospital.

– E a que horas alguém contou para você o que estava acontecendo?

– Por mais que eu insistisse para a enfermeira me dizer o que eu tinha, ela não dizia. Quando o médico voltou, eu de cara perguntei “O que eu tenho?” e ele, enrolando e dizendo um monte de besteiras que eu nem lembro mais e por isso eu vou resumir aqui, respondeu: “Você está com câncer e esse câncer não tem cura porque é maligno. Infelizmente você só tem poucos meses de vida.”

– Meu Deus! Você ficou triste?

– Na hora eu não senti nada, parecia que a coisa não era comigo. Nem estava tão desesperado como estava antes de saber da notícia. Mas, sei lá, eu acho que fiquei um pouco triste.

– Não fique triste!

– Saber que eu vou morrer me fez ficar um pouco triste! Claro, eu sempre soube que um dia iria morrer, mas antes eu tinha a impressão de que viveria eternamente. Ou, peraí, eu tenho 16 anos e a morte era para estar bem longe de mim! Porém, como não está, vou ocupar meu tempo fazendo só coisas das quais gosto.

– Agora que você sabe que vai morrer, você vai parar de escrever em mim?

– Quando se tem uma doença grave como a minha e se está com os dias contados, uma hora escrevendo em um diário ou escrevendo um conto pode me fazer muita falta!

– É verdade... eu te entendo! Uma hora é muita perda de tempo, né?

– Mas se nessa uma hora eu estiver escrevendo, eu não me importo de perdê-la, pois posso escrever coisas que me façam ficar vivo pelo resto de toda a eternidade!

Eduardo Franciskolwisk

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitores, se forem comentar como anônimo por facilidade, peço que deixem pelo menos seus primeiros nomes como assinatura.

Mas se fizerem questão do anonimato, não tem problema!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...