domingo, 28 de abril de 2013

O garoto e as três bolas de sorvete

Esta história aconteceu num verão. Num lugar onde até o inverno chega a ser quente. O calor estava demais. Tanto dentro como fora de casa, parecia que tudo iria se derreter. Mas para qualquer garoto da idade dele, aquilo tinha uma solução:

– Vovó, me dá sorvete?

– Sabe que você teve uma boa idéia? Vamos para a cozinha. Além de ser o lugar mais fresco da casa, no congelador tem bastante sorvete.

O neto da senhora mal acabou de escutá-la e já estava sentado na mesa da cozinha. Já a avó, demorou um pouco mais, pois a idade já não a deixava ser tão rápida.

– Vó, hoje, que está muito quente, eu posso tomar três bola de sorvete?

Ela o olhou como se fosse negar o pedido e o garoto logo deu mais um argumento a seu favor:

– É que lá no congelador tem três sabores de sorvete. E eu queria muitíssimo uma bola de cada. Pode ser assim? Deixa vai!

– Deixo. Mas só por dois motivos: um é por causa do calor e o outro é porque você comeu tudo no almoço.

A avozinha colocou num copo d’água as bolas de sorvete que o neto tinha lhe pedido. Uma de chocolate, outra de flocos e a outra que se chamava Barba Azul, um sorvete que era novidade para ela porque tinha cor azul.

Entregou o copo para o neto com uma colher meio velha. Quando ia se sentar à mesa, o telefone da sala tocou. E ela disse:

– Eu já volto, querido. Vai tomando o seu sorvete enquanto eu vou atender o telefone.

Quando o garoto ia colocar a primeira colherada de sorvete na boca, pensou:

– Esta colher está um pouco velha, acho melhor eu procurar uma mais bonita.

Levantou-se e na gaveta em que estavam as colheres, escolheu a que mais combinava com o seu gosto.

De novo sentado na cadeira, ia levando a primeira colherada de sorvete à boca, mas parou no meio do caminho e pensou:

– Onde será que está o pano? Tenho que limpar essas gotas de sorvete que caíram da minha colher na mesa.

Levantou-se e logo achou o pano e com ele limpou a mesa. Quando ia se sentar, viu que uma gotinha do sorvete tinha caído em sua camiseta e pensou:

– Puxa, quase que eu não vi esta gota na minha camiseta. Melhor eu limpá-la agora para que, depois, eu possa tomar meu sorvete sossegado.

E assim ele fez, limpou a camiseta. Só que quando terminou, percebeu que a avó não tinha jogado o lacre do sorvete no lixo e pensou:

– Tão perto de mim e eu já ia deixando de perceber. Não me custa nada jogar essa sujeira fora para poder tomar meu sorvete em paz.

O garoto amassou com as mãos o lacre do sorvete e também a embalagem de papelão. Foi até o lixo, jogou tudo fora e voltou correndo para a mesa.

Acomodou-se na cadeira, mas só depois pensou:

– Isso não está certo! Não lavei as mãos. De mãos sujas não poderei saborear o meu sorvete.

Levantou novamente, lavou as mãos e voltou correndo para se sentar à mesa. Agora sim, tudo estava perfeito.Agora sim, ele poderia tomar sorvete. Então, ele pegou a colher com uma mão e o copo com a outra. Só que o sorvete já havia derretido.

A avó, sabendo do perfeccionismo do neto e vendo sua tristeza, lhe disse:

– Querido, se você tentar fazer com que tudo seja sempre perfeito, ficará sempre triste. Saiba que algumas coisas não precisam ser perfeitas, precisam apenas ser aproveitadas. O que você acha de aproveitar agora um sorvete com três bolas?

Eduardo Franciskolwisk

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitores, se forem comentar como anônimo por facilidade, peço que deixem pelo menos seus primeiros nomes como assinatura.

Mas se fizerem questão do anonimato, não tem problema!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...