domingo, 28 de abril de 2013

Dois contra uma: a depressão

Eles nunca tinham sido amigos. Eles nunca tinham se visto e nem se esbarrado por aí. Eles não tinham nada em comum, além do motivo que os tinha levado àquela pequena sala de espera.

Além dos dois, havia mais duas mulheres: a secretária e uma quarentona que não conseguia segurar o choro. Um pequeno lenço de pano era o único a tentar consolá-la, absorvendo o quanto podia do pranto da mulher. Todos estavam sérios!

A secretária, já acostumada com esse tipo de gente, era calma e tinha muita paciência. Era a única que sorria sinceramente quando algumas palavras eram trocadas por ali. Para tentar ajudar aos outros, ela sempre dizia a si mesma:

– A depressão é contagiante, mas tenho certeza de que o sorriso também é!

E era por isso que ela sorria ao falar com aquelas pessoas.

O silêncio era a maior parte do tempo. Porém, uma vez ou outra, alguns olhares eram trocados entre os quatro.

O psiquiatra, pelo telefone, disse que a secretária poderia pedir para que a mulher desesperada entrasse em sua sala. A secretária a conduziu até a sala dele. Passaram-se alguns minutos, algumas dezenas de minutos... E nesse tempo, os três que haviam ficado, mantiveram silêncio. Os dois adolescentes não choravam, mas era possível ver em suas caras sérias e em seus olhares fixos e pensativos, a tristeza, o desespero e a apreensão.

Mais ou menos, duas horas se passaram e a mulher saiu da sala do doutor bem mais aliviada e calma. Sinceramente, não era nem possível ver que ela tinha chorado. Na mão, ela carregava a receita de um antidepressivo: Oxeflutina 5mcg.

Logo depois, foi a vez de um dos adolescentes. Uma hora depois, ele saiu da sala do psiquiatra com um sorriso tão sincero quanto o da secretária. Ele realmente estava se sentindo bem e comentou com a moça:

– Fui diagnosticado como “maníaco depressivo” – brincou ele. – Mas falando sério, – continuou – esse cara aí é médico ou é mágico? Estou me sentindo muito melhor!

A moça riu e se despediu dele. Enquanto ele ia embora, olhou mais uma vez para o outro adolescente e disse abanando a mão com a receita médica:

– Tchau! Qualquer dia a gente se vê por aí... Ou, por aqui mesmo!

O outro adolescente fez apenas um sinal com a cabeça. Era quase certo de que ele também sairia melhor dali.

Segundos depois, a secretária disse para o último paciente:

– Vamos entrar? O doutor já está esperando!

O mesmo aconteceu! Uma hora depois , mais ou menos, o adolescente foi embora bem melhor do que tinha chegado, levando consigo a sua receita.

Dias... Semanas... 3 meses havia se passado. Em um certo dia, o adolescente que se julgava “maníaco depressivo” viu o outro passando em frente a sua casa. E somente o observando, descobriu que ele tinha se mudado para ali perto. Naquela mesma noite, quando ia ao curso de inglês, viu que o novo vizinho estava entrando em um terreno baldio carregando algo que ele não pôde ver. Curioso e sempre pensando no pior, resolveu segui-lo.

Ao entrar no terreno, no meio do matagal, viu com muita clareza a cena: o adolescente estava com uma arma voltada para a própria cabeça.

Ambos se assustaram! Com o pensamento rápido, o adolescente tentou dizer coisas que fizessem com que o outro desistisse, mas não conseguiu. Afinal, ele não era psiquiatra. Tudo indicava que o outro apertaria o gatilho do revólver.

Então, ele disse o que sentia, fazendo o outro soltar a arma e continuar a viver:

– Olha, cara, se eu estivesse com depressão, certamente, eu diria para você: “Vai em frente!”. Mas como eu não estou com depressão, o meu conselho é: “Esqueça isso, vai! Enfrente!”. Eu ajudo você! É só disso que você precisa!

Eduardo Franciskolwisk

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leitores, se forem comentar como anônimo por facilidade, peço que deixem pelo menos seus primeiros nomes como assinatura.

Mas se fizerem questão do anonimato, não tem problema!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...